sábado, novembro, 2019

Entrevista com Dan Katcher na Wacom Academy 2019

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas
Loading...
FavoriteLoadingFavoritar este Post

Bruno Calixto – 04/11/2019 – 12:11

No Rio para compartilhar sua trajetória como criador de monstros para a TV e o cinema, o designer e artista americano Dan Katcher é considerado o pai dos dragões de “Game of Thrones”. Em dois encontros gratuitos e abertos ao público nesta segunda-feira (4), ele irá falar sobre o seu monstro favorito, o dragão , além de mostrar alguns detalhes técnicos, como de que forma ele utiliza tanto o software ZBrush quanto as mesas digitalizadoras da Wacom.

— Em vez de fazer a maioria das minhas tarefas em casa e lições da escola como as outras crianças faziam, provavelmente, passava mais tempo desenhado imagens de dragões – conta Dan Katcher, em entrevista ao GLOBO , por e-mail.

Katcher á autor de criaturas para todos os tipos de mídia, inlcuindo jogos de vídeo e sucessos como “O Espetacular Homem-Aranha” (2012). A fama veio depois da criação dos dragões para “GoT”, da HBO, o que lhe rendeu três Emmys consecutivos (2012, 2013 e 2014) na categoria Outstanding Special and Visual Effects Award. Radicado em Los Angeles, ele é de Nova York, onde estudou animação na Escola de Artes Visuais. Para se inscrever basta clicar nos links abaixo.

Dan Katcher, o pai dos dragões de 'Game of Thrones' Foto: Divulgação
Dan Katcher, o pai dos dragões de ‘Game of Thrones’ Foto: Divulgação

Entrevista/Dan Katcher

De onde vem este amor todo por criar monstros?

Meu interesse em criar dragões começou quando eu era muito jovem. Ainda criança, no Bronx, ia com meu pai ao Museu de História Natural em Nova York quase todo final de semana. Ficava fascinado pelos esqueletos de dinossauros. Também assisti ao filme “Fantasia” da Disney quando tinha aproximadamente 7 anos e quando eu vi o demônio aparecendo na montanha no final achei que era a coisa mais legal que já tinha visto na vida. Acredito que os dragões são uma mistura dessas duas influências. Além disso, também joguei um pouco de “Dungeons & Dragons” (RPG).

Qual é o passo a passo para criar um monstro?

A primeira coisa que faço é ler o script ou o máximo que puder sobre o tema que tenho em mãos. Depois disso sigo direto para o ZBrush e começo a esboçar ideias de como o monstro que vou criar, qualquer que seja ele, vai parecer. Saber exatamente o que a criatura precisa fazer nas cenas em que participará. Como precisa comer, tem que ser algo assustador ou talvez simpático? É inteligente ou só um animal estúpido? Como ele luta? Como ele se reproduz? Estes são os primeiros requisitos para desenhar uma coisa viva, as perguntas mais importantes ao abordar e projetar uma criatura.

O que é mais importante neste processo de criação?

Como ela se reproduz pode ser a parte mais importante de seu design. O exemplo perfeito disso seriam os alienígenas. A forma como se reproduzem é puramente aterrorizante. Também há muitos sentimentos pessoais e psicologia, mas direcionando para o design de cada uma das minhas criaturas. Porém estas são decisões tomadas em um nível que nem eu mesmo compreendo. Muito do olhar das criaturas parece ter sido retirado não exatamente da minha própria mente.

Dan Katcher Foto: Divulgação
Dan Katcher Foto: Divulgação

Você usa que tipo de ferramentas tecnológicas para isso?

Uso um PC pessoal. Um robusto, mas nada especial. Também uso uma Wacom Cintiq, ou apenas uma Wacom Intuos para a interface artística e para alguns programas como ZBrush, Photoshop, Maya e Keyshot. Todos que estão disponíveis para o público. 

Quando decidiu se tronar um criador de monstros?

Meus estudos começaram quando era muito novo. Tenho desenhado e pintado desde minhas primeiras memórias. Minha mãe era artista e passei os primeiros anos da minha vida aprendendo a desenhar com ela. Em vez de fazer a maioria das minhas tarefas em casa e lições da escola como as outras crianças faziam, provavelmente, passava mais tempo desenhado imagens de dragões.

Seria mais difícil se não tivesse mãe artista?

Também tive aulas de life coping e life drawing na The Art Students League of New York. Aprendi as técnicas clássicas da Academia Francesa. Depois fui para a escola de artes visuais para estudar ilustração, mas nunca me formei. Era muito cara e já tinha passado tantos anos fazendo arte por conta própria que senti que era melhor para mim apenas começar a trabalhar. E fiz isso. Depois que deixei Nova York e fui para a Califórnia, os mercados tradicionais de arte e colecionáveis para artistas não digitais se esgotaram. Felizmente, tenho amigos que já aprenderam a fazer arte digital e eles ficaram felizes em me ajudar a aprender a nova tecnologia. Diria que sou principalmente um autodidata quando se trata de arte digital.

Como é ser pai dos dragões de ‘Game of Thrones’?

Para as primeiras temporadas de “Game of Thrones” não foi nada demais, já que os dragões não eram tão grandes. Mas quando chegaram as temporadas quatro, cinco e seis ficou muito difícil ter os padrões de escala para olhar corretamente para um animal daquele tamanho. Nada sobre fazer eles é tão fácil, mas com certeza os detalhes são a parte mais difícil.

E como eles são, físico e psicologicamente?

O design para os dragões foi algo que já existia em mim mesmo antes de a série começar. Há muitos elementos do dragão que são estritamente específicos para a série. Não poderia ser apenas um dragão velho, tinha que ser um tanto assustador quanto lindo. Também tinha que parecer inteligente, mas não como um humano. E tinha que ser como uma joia viva. Algo que você gostaria de montar. Usei muitos animais reais como inspiração quando estava criando. Morcegos, crocodilos, lagartos espinhosos e dinossauros foram o que construíram um dragão. Ter todos estes elementos para trabalhar juntos, em harmonia, é a parte desafiadora.

Dan Katcher, o pai dos dragões de 'Game of Thrones' Foto: Divulgação
Dan Katcher, o pai dos dragões de ‘Game of Thrones’ Foto: Divulgação

O que você sentiu ao vê-los na tela?

Acho que “Game of Thrones” facilmente é a maior coisa que já fiz. Principalmente porque a própria série foi um grande sucesso. Os dragões que fiz para a série provavelmente continuarão vivos para mim. Mas isso não chega nem perto. Os dragões foram parte das vidas das pessoas por anos. As pessoas choraram quando Regal e Veseryion morreram. Isso não é legal?

Tem um  monstro favorito?

O Chernabog, de “Fantasia”. Sim, é um desenho da Disney, mas é meu favorito. Tão legal! Acho que foi Michelangelo que disse “O inferno é o domínio do artista. O céu é ditado pela igreja.” Apenas amo as coisas sombrias.

Quais os próximos trabalhos?

Meu próximo trabalho terminou há três anos quando concluí meu trabalho em Game of Thrones. Desde então, tenho feito monstros e criaturas para vários projetos de streaming da DC Comics e da The CW, além de séries como “Supergirl”. Existem alguns projetos realmente interessantes aparecendo, mas não tenho como comentar muito neste momento. GOT abriu muitas portas para mim. Realmente quero que a próxima coisa seja tão relevante quanto Thrones, mas esta não é uma tarefa fácil. Vamos ter que esperar para ver.

link original da matéria: https://oglobo.globo.com/rioshow/apenas-amo-as-coisas-sombrias-diz-dan-katcher-pai-dos-dragoes-de-game-of-thrones-24060499?utm_source=Twitter&utm_medium=Social&utm_campaign=O%20Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Descubra a Wacom One

Quer você esteja apenas começando na criação digital ou queira adicionar um toque especial ao…

Leia mais >