quinta-feira, outubro, 2015

Cores e Suas Aplicações na Prática – Parte 1

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas
Loading...Loading...
FavoriteLoadingFavoritar este Post

Todo designer aprende desde cedo a importância das cores para a sua Criação. É batido sabido que as tonalidades têm o poder de despertar sensações e até mesmo influenciar as pessoas inconscientemente. Assim, ao criar qualquer desdenho, seja o logo de uma marca, um anúncio, uma ilustração, uma tattoo, um game, uma animação (a gente pode passar bastante tempo aqui)… enfim, qualquer criação deve levar em conta as cores a serem utilizadas de acordo com os interesses e objetivos de quem está por trás disso.

Mas a gente não veio aqui para falar que o amarelo transmite otimismo e juventude ou que o verde é facilmente associado à saúde, ao bem-estar e à natureza. Hoje, trazemos aqui no blog alguns insights sobre a aplicação real das cores no dia a dia do designer de forma rápida e prática. Os dados são do infográfico do Kissmetrics (amor por eles), que você pode conferir na segunda “lição” daqui do blog e complementar as infos que mastigamos antes. O infográfico está em inglês. Vamos lá?

Roda de Cores

Sim, você já ouviu falar da color wheel. Simples e fácil de ser usada, a ferramentaRoda Cores nos ajuda a descobrir e coordenar a harmonia de cores, especialmente no web design. O primeiro diagrama circular foi desenhado por Isaac Newton, em 1666.

Se dividirmos o círculo em cores quentes e frias (trace uma linha de separação), ficará mais fácil identificar as combinações e não errar.

De uma forma geral, se você está criando um site, por exemplo, o ideal é não misturar muito cores quentes e frias, isso confunde o usuário e transmite um aspecto “sujo”, confuso e desorganizado.

Harmonização

Prometemos que essa não será uma aula de geometria, mas que ela pode te ajudar nesse sentido, meu caro criativo, ah, pode! Você já se perguntou por que determinadas cores harmonizam tão bem e porque outras despertam dor na vista só de olhar? Por mais que artistas, em boa parte das vezes, tenham um senso estético e de harmonização apurado, trazemos para você uma técnica bacana e fácil de usar.

Se você identificar as cores primárias (cores puras, que não podem ser formadas pela combinação de outras cores), secundárias (combinação de duas cores primárias) e terciárias (combinação de uma cor primária com uma secundária) dentro da color wheel, perceberá que existe uma relação geométrica entre elas (vide infográfico – linkar para a segunda matéria da série). Assim, a harmonização de cores consiste em esquemas de duas ou mais cores com uma relação fixa no círculo.

Alguns modelos geométricos que vale a pena conhecer:

– Cores complementares: traçando uma reta, são as que estão em lados exatamente opostos. Tome uma como dominante e use a outra para ~ complementar ~ a criação em elementos que merecem destaque;

– Analógicas: são as que ficam lado a lado, uma série de cores seguidas, por assim dizer. São frequentemente encontradas na natureza e, talvez por isso, transmita naturalidade. Normalmente são agradáveis e confortáveis de se olhar;

– Triádico: o nome já diz, é o triângulo (lembra do triângulo equilátero da escola, aquele com todos os lados iguais? Então, esse mesmo).  A regra é a mesma das cores complementares: escolha uma cor dominante e as outras ajudam a destacar o que você deseja. Alguns especialistas consideram esta a melhor combinação de cores;

– Bi-complementar: é uma variação das cores complementares, mas, aqui, são utilizadas as duas cores adjacentes a uma escolhida (também forma um triângulo, o isósceles, com dois lados iguais e um diferente, menor). Esse esquema também tem um alto poder de contraste, mas não tanto quanto às cores complementares, o que potencializa a harmonização;

-Retangular: o formato é o retângulo, que é formado por dois pares de cores complementares ligados entre si. Apresenta muitas possibilidades. Ainda prefira escolher uma cor dominante e preste atenção no balanço entre cores quentes e frias;

– Quadrado: semelhante ao retângulo, aqui, os pares complementares são mais espalhados na roda de cores. Apresenta o melhor esquema em termos de combinações, o que também pode resultar em dificuldade de harmonização. Se bem utilizado, o esquema faz sucesso, mas preste bastante atenção quando usar o quadrado.

No “próximo capítulo”, a gente fala um pouco mais sobre harmonização entre layout e elementos visuais e também mostra o infográfico completo da Kissmetrics.

One thought on “Cores e Suas Aplicações na Prática – Parte 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Qual é a MINHA WACOM?

Pensando nas dúvidas e dificuldades de encontrar a Wacom ideal para as suas necessidades, criamos uma…

Leia mais >